Penha


Como tem vindo a acontecer após PA tomado em conjunto, arrancamos 8 elementos preparados para o empeno da semana. Sem marcação previa no GPS, tínhamos planeado passar pelo marco geodésico de Lijó e Igreja da Lapinha cujo marco geodésico se encontraria na torre da mesma, antes de atingirmos a Marca de Bronze existente no monte da Penha. Desta vez com espírito explorador fomos marcando os nossos trilhos, todavia como as zonas já tinham sido por nós “batidas” noutras alturas acabamos por cruzar trilhos que já tínhamos feito, uns em direcção contrária outros com conjugações diferentes foram-se emparelhando de tal forma que junto á hora da pausa para a “merenda” tínhamos sensação de que o passeio estava a correr da melhor forma e que o empeno nas pernas era justo pois o acumulado de subidas era certamente rigoroso (como viríamos a provar com leitura do track gps). Como treino para o Manobras VIII não foi mau, faltou talvez umas partes mais técnicas que se esperam para o próximo fim-de-semana. Terminada a parte que demarcávamos como mais complicada não deixamos de tornar a descida da Penha “animada”, pois optamos por descer pela PR3 Rota da Penha, que numa fase inicial não foi "ciclavel" devido ao elevado declive formado por alguns degraus, mas a parte final foi bem conseguida. Já com o pó para trás passeamos pelo centro histórico de Guimarães e tomamos rumo a casa. E porque o alcatrão é avesso a um dos nossas colegas, o mesmo não conseguiu chegar a casa sem que após atravessarmos o Rio Ave nos tivesse “oferecido” um conjunto de single-track e trilhos que acabaram por confirmar o empeno de 1 ou 2 músculos mais desgastados.
Em suma passeio matinal de Sábado bem conseguido, em dia de Maratona da Póvoa julgo termos feito uma boa opção.



Penha


2 comentários

Mensagens populares